Avançar para o conteúdo principal

Graça e serviço!




Neste quarto domingo do Advento, a Igreja, as comunidades cristãs e cada um dos cristãos em particular, são convidados a reavivar, através do recolhimento, da contemplação e da acção de graças a consciência da “largura e cumprimento, da altura e da profundidade” (Ef 3, 18) do mistério do nascimento do Senhor. Um “mistério” que esteve sempre encoberto em Deus, um projecto que abrigava o seu coração. Ninguém teria podido conhecê-lo nem sequer suspeitar da sua existência, apesar das promessas constantemente repetidas pelos profetas, que mantinham viva nos homens a esperança da salvação.
Recorde-se especialmente o oráculo que o profeta dirigiu a David, e cuja tradição criou uma imagem prestigiosa do messias esperado. Ao rei que, pela sua piedade, queria construir um templo, o Senhor prometeu “uma casa e uma realeza que permanecerão para sempre”. De maneira imediata, tratava-se da certeza de longos anos de prosperidade e de paz para o povo. Contudo, a solenidade do anúncio de uma intervenção pessoal de Deus fazia pressentir uma iniciativa divina de uma ordem totalmente diferente, ou seja, referente à salvação. Mas isso continuaria a ser o “segredo” de Deus. Por fim, revelou-o, quando chegou o tempo e o momento que sabiamente havia prefixado. À luz da vinda do Senhor desvenda-se o sentido e o alcance plenos deste oráculos e de todos os outros. Ao mesmo tempo, estes ajudam a compreender que “a Deus nada é impossível” que a sua graça supera infinitamente todas as nossas esperanças e que a sua omnipotência se manifesta na fidelidade.
Deus não escolhe um rei para realizar o seu maravilhoso desígnio, oculto desde os séculos antigos, mas antes uma jovem humilde, uma virgem da aldeia desconhecida de Nazaré. E envia-lhe, não um profeta, mas seu anjo, para lhe transmitir a mensagem mais extraordinária: “hás de conceber e dar à luz um filho, ao qual porás o nome de Jesus. Ele será grande e chamar-se-á filho do altíssimo. O Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai, David.” Ao que Maria responde: “Eis a serva do Senhor.”
O maior dos mistérios realiza-se com a maior simplicidade. “Glória a Deus, o único sábio, por Jesus Cristo e para sempre”

(Missal quotidiano da Paulus)

Comentários

  1. Aleluia!
    Que Jesus Menino abençoe nossos lares e aqueça nossos corações com seu divino amor. E que a Sagrada Família seja sempre o grande modelo de família para nossa sociedade.
    Que a família seja dignificada!

    __________________________________________
    Antônio Januário
    Twitter: @januariojc
    Blog: http://www.antoniojanuario.com

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Aqui escreves TU

Zacarias, o mudo que fala de Deus!

"Entretanto, chegou o dia em que Isabel devia dar à luz e teve um filho. 58 Os seus vizinhos e parentes, sabendo que o Senhor manifestara nela a sua misericórdia, rejubilaram com ela. 59 Ao oitavo dia, foram circuncidar o menino e queriam dar-lhe o nome do pai, Zacarias. 60 Mas, tomando a palavra, a mãe disse: “Não; há-de chamar-se João.” 61 Disseram-lhe: “Não há ninguém na tua família que tenha esse nome.” 62 Então, por sinais, perguntaram ao pai como queria que ele se chamasse. Pedindo uma placa, o pai escreveu: “O seu nome é João.” (Lc 1,57-63)

O versículo 62 deste texto bem conhecido apresenta, aparentemente, uma dificuldade de interpretação. Em Lc 1,20 lemos: Vais ficar mudo, sem poder falar, até ao dia em que tudo isto acontecer, por não teres acreditado nas minhas palavras, que se cumprirão na altura própria. A tradução deste versículo pode começar de outro modo: Vais ficar em silêncio e sem capacidade (força) para falar. Não é absolutamente linear que o verbo siwpáw signi…

FRUTOS DA TERRA E DO TRABALHO DO HOMEM

(Depois da minha homilia no passado domingo na solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, muitos mostraram-se interessados acerca da simbologia do Pão e do Vinho. Aproveito para partilhar o texto ao qual me inspirei para a minha homilia. O texto é de Enzo Bianchi, prior da comunidade de Bose - Itália)
É significativo que a palavra “Pão” apareça ao início da Bíblia sob o signo do trabalho, da fadiga, do suor: “comerás o pão com o suor da tua testa” (Gen 3, 19). De facto o pão significa antes de tudo comida, aquilo que sustém o homem, aquilo que é absolutamente necessário e que o homem deve procurar com o duro trabalho da terra. Quando à palavra “vinho”, ela aparece pela primeira vez no episódio de Noé, o patriarca supérstite do dilúvio  o qual, plantou uma vinha para se consolar e das uvas fez o vinho e bebendo-o embriagou-se (Gen 9,20-21). Assim o vinho é consolação mas também é capaz de provocar comportamentos indignos de um homem.  Mas, eis que quando a história aparece inequivocamente c…

Aos pés da Cruz!

Muitas pessoas presenciaram curiosos a crucifixão de Cristo no alto do Calvário.  São muitos os que assistiam atónitos ao suplício de um homem inocente. mas, são poucos os que ficaram aos pés da cruz: a mãe de Jesus; a irmã de Maria de Nazaré, Maria de Cleofas e Maria de Magdala, e nos assegura mais a frente o evangelista que perto da mãe estava também o discípulo amado de Jesus. Um pequeno grupo de pessoas. Somente um pequeno grupo de fidelíssimos têm a coragem de não fugir e testemunhar a própria fé Nele. Somente poucos audazes, juntamente com Maria têm a coragem de suportar com Cristo a dor e o sofrimento por uma morte injusta. Hoje, na Solenidade da Virgem das Dores somos chamados a contemplar Jesus no maior gesto de obediência da sua história. Somos chamados a olhar para Cristo e o mistério da nossa salvação, através do olhar da Mãe.  Contemplar este drama na vida da família de Nazaré, o último evento que Maria vive com o Filho, é quase entrar nos sentimentos de uma mãe com um fil…