Avançar para o conteúdo principal

Assim presente!

 A festa da transfiguração convida-nos a voltar o olhar à pessoa de Jesus num momento especial da sua vida terrena, no dia em que “sobre um alto monte” ele “transfigurou-se” dainte de “Pedro, Tiago e João” (Mt 17,1.2) e estes tornaram-se “testemunhas oculares da sua grandeza” (2Pedro 1,16). A tradição sempre interpretou este episódio em chave pedagógica, como um sinal oferecido aos discípulos para os suster ao impacto com a realidade e a lógica da cruz. 
Escreve um grande doutor da Igreja: “o papel principal da Transfiguração era remover do coração dos apóstolos o escândalo da cruz, para que a humildade da paixão por ele desejado não perturbasse a fé deles, sendo-lhes já manifestada em antecipação a excelência da sua dignidade escondida” (São Leão Magno). Sem dúvida trata-se de um significado que pertence à verdade deste mistério da vida de Cristo. O Senhor Jesus desejava anunciar com clareza que na sua eminente paixão de amor ele não estava perdendo a vida, mas a estava doando. Os discípulos, da parte deles, tinham certamente necessidade de “conhecer a potência e a vinda do Senhor” (2Pedro 1,16) para continuar a suportar o peso do seguimento, sem dar demasiada importância ás incompreensões e falhanços. 
Mas o Evangelho sugere também uma outra chave de leitura. A “voz” do Pia que se ouve “das nuvens” (Mt 17,5) quer fazer entender aos discípulos não só que o Filho do homem é verdadeiramente Filho de Deus, o amado, mas também que verdadeira glória consiste no acolhimento da vida como missão e como serviço. Somente que escolhe a solidariedade e a partilha com os outros conquista “um poder eterno, que não acaba jamais, e o seu reino não será nunca destruído” (Dn 7,14). De facto, próprio neste momento altamente estético, o Pai reafirma o caracter ético da vida de Jesus, pronunciando as mesmas palavras ouvidas por todos quando o carpinteiro de Nazaré mergulhou no Jordão, manifestando a decisão de uma incondicional irmandade com o homem mergulhado no pecado. Além disso a recomendação final de Jesus aos três discípulos “Não conteis a ninguém esta visão, até o Filho do homem ressuscitar dos mortos” (Mt 17,9) revela que o sentido da transfiguração pode ser plenamente entendido não somente em relação à morte mas em relação à ressurreição, quando será possível compreender onde termina a parábola de uma vida doada por amor.
A luz da transfiguração não é portanto só um bálsamo, mas também um convite: “escutai-o”. Aqueles que no Filho se sentem chamados a tornarem-se filhos devem abraçar a mesma lógica de obediência em que está toda a “complacência” do Pai, para serem depois “transformados naquela mesmíssima imagem de glória em glória, segundo a acção do Espírito do Senhor” (2Cor 3,18). Diante de um mistério assim atraente, não nos resta que escutar a recomendação de um luminoso testemunha do Evangelho que pode ressoar em nós como um doce convite: “Grande miséria e miserável debilidade, quando o tendes tão presente e vós buscais alguma outra coisa em todo o mundo”. (São Francisco de Assis, Carta a toda a Ordem 25)  

Comentários

Aqui escreves TU

Zacarias, o mudo que fala de Deus!

"Entretanto, chegou o dia em que Isabel devia dar à luz e teve um filho. 58 Os seus vizinhos e parentes, sabendo que o Senhor manifestara nela a sua misericórdia, rejubilaram com ela. 59 Ao oitavo dia, foram circuncidar o menino e queriam dar-lhe o nome do pai, Zacarias. 60 Mas, tomando a palavra, a mãe disse: “Não; há-de chamar-se João.” 61 Disseram-lhe: “Não há ninguém na tua família que tenha esse nome.” 62 Então, por sinais, perguntaram ao pai como queria que ele se chamasse. Pedindo uma placa, o pai escreveu: “O seu nome é João.” (Lc 1,57-63)

O versículo 62 deste texto bem conhecido apresenta, aparentemente, uma dificuldade de interpretação. Em Lc 1,20 lemos: Vais ficar mudo, sem poder falar, até ao dia em que tudo isto acontecer, por não teres acreditado nas minhas palavras, que se cumprirão na altura própria. A tradução deste versículo pode começar de outro modo: Vais ficar em silêncio e sem capacidade (força) para falar. Não é absolutamente linear que o verbo siwpáw signi…

FRUTOS DA TERRA E DO TRABALHO DO HOMEM

(Depois da minha homilia no passado domingo na solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, muitos mostraram-se interessados acerca da simbologia do Pão e do Vinho. Aproveito para partilhar o texto ao qual me inspirei para a minha homilia. O texto é de Enzo Bianchi, prior da comunidade de Bose - Itália)
É significativo que a palavra “Pão” apareça ao início da Bíblia sob o signo do trabalho, da fadiga, do suor: “comerás o pão com o suor da tua testa” (Gen 3, 19). De facto o pão significa antes de tudo comida, aquilo que sustém o homem, aquilo que é absolutamente necessário e que o homem deve procurar com o duro trabalho da terra. Quando à palavra “vinho”, ela aparece pela primeira vez no episódio de Noé, o patriarca supérstite do dilúvio  o qual, plantou uma vinha para se consolar e das uvas fez o vinho e bebendo-o embriagou-se (Gen 9,20-21). Assim o vinho é consolação mas também é capaz de provocar comportamentos indignos de um homem.  Mas, eis que quando a história aparece inequivocamente c…

O carinho do Papa Francisco que irrita muitos padres

É uma coisa maravilhosa mas, por exemplo, também João Paulo II foi à cadeia encontrar o seu assassino Ali Agca. Mas desta vez, aposto, acontecerá que alguém da minha paróquia me perguntará porque razão, a partir do momento que o Papa foi até Calábria, porque eu não vou nem mesmo visitar a senhora Pina que habita numa casa popular, e passou todo o inverno sem aquecimento porque não se fez a reparação no sistema. Sempre em Calábria, na missa da tarde de ontem disse: “a ‘ndrangheta é isto: adoração do mal e desprezo do bem comum”, “os maviosos, não estão em comunhão com Deus, são excomungados” e a minha gente não fará comparação com João Paulo II em Agrigento, mas perguntará a mim porque nas minhas homilias sou assim tão politically corect Sempre ontem, de manhã aos padres como eu dizia que não devemos pôr “ao centro nós mesmos e assim em vez de sermos canais tornamo-nos ecrãs” e estou certo que basta me sentar no confessionário e escutar com superficialidade, alguém, seguramente, me r…