Avançar para o conteúdo principal

Modus in rebus

 Viajar com os TACV, já se sabe, é sempre uma autentica aventura. Uma epopeia: atrasos, adiamentos, atendimento péssimo, desinformação, enfim... Mas modus in rebus! Há um limite em que é o próprio bom senso que, a razoabilidade que deve imperar, para além de tudo.
Caramba! O voo Boston-Praia de quarta feira (28) devia ser um voo de rotina, com, naturalmente, o atraso "normal" de quem nāo depende só de si para prestar um bom serviço. Mas não... Depois do check-in, esperou-se, sem nenhuma informação, até quase (senão mesmo) Meia noite, quando duas "benditas almas" informaram que o voo foi cancelado por causa do mau tempo em Boston (nenhum outro voo foi cancelado) e que o que vinha da Praia fora desviado para Nova York. A sugestão da nossa companhia foi a mais fácil para ela: cada um apanhe o seu próprio táxi se dirija para o hotel x (fora da cidade de Boston) amanhã, trazendo o recibo se fará o reembolso. Naturalmente, muitos protestaram: uns por não saberem a língua, outros por não terem a importância, outros ainda por não confiarem andar de noite sem saberem para onde. O Voz populi, vox dei desta vez funcionou. Depois de algum tempo lá estava o bus à frente do aeroporto. Se, como disseram, o problema é o mau tempo, então, se no dia seguinte o tempo estiver bom se partirá. Há quem vai de férias, há quem tem negócios a tratar antes do fim de semana, há quem terminou as férias e deve recomeçar o trabalho, quem tem uma filha para enterrar e quem pagou uma viagem numa determinada data que lhe convinha pelas suas razões e quer (e muito) para viajar. Sim mas os TACV estão nas tintas... No hotel o tratamento é óptimo, mas ao meio dia de quinta feira (29) ou se paga mais uma diária ou se deve sair. Assim, para poupar, os TACV inventam que a viajem será às 16h e os passageiros devem estar no aeroporto às 14. Todos para o Aeroporto numa correria e, alguns sem almoçarem, mas, na verdade, do avião nem noba, nem nobidade. Fosse só o avião! Só se viu um trabalhador dos TACV depois das 6 da tarde para amavelmente avisar que infelizmente o voo foi cancelado e que não sabia dar mais informações. Talvez a viajem seja amanhã. Talvez seja de manhã! É provável que seja à noite... E lá se fez a arenga de sempre e uns para o hotel, outros para os familiares, outros...

o único funcionário dos TACV que apareceu depois de 5 horas de espera
A pergunta, a este ponto, é dupla: até ONDE os TACV são capazes de chegar relativamente ao mal-tratamento dos seus clientes? Até QUANDO estes desmandos continuam? Mas, mais: custa assim tanto a uma empresa informar em tempo e em verdade os seus clientes e prestar um serviço de terra com maior dignidade e respeito?
Mas nem tudo é assim tão negativo: em 2030 Cabo Verde será País Desenvolvido e teremos uma transportadora aérea (e já agora terrestre e marítima) também desenvolvida. Por agora, enquanto médios, vamos gozar deste prazer grande de (não) viajar bem. 
O mais engraçado é que, se esta viajem um dia se realizar, no final do voo (talvez sem um pedido (in) formal de desculpa) se ouvirá: "obrigado por voar nas linhas dos TACV". Que remédio!? Não temos outra escolha! É preciso ter paciência em dose extra. Est modus in rebus!

Ps: todas as companhias do mundo têm atrasos e problemas. Não é disso que se trata mas do modo de tratar os próprios clientes. 



Comentários

Aqui escreves TU

Zacarias, o mudo que fala de Deus!

"Entretanto, chegou o dia em que Isabel devia dar à luz e teve um filho. 58 Os seus vizinhos e parentes, sabendo que o Senhor manifestara nela a sua misericórdia, rejubilaram com ela. 59 Ao oitavo dia, foram circuncidar o menino e queriam dar-lhe o nome do pai, Zacarias. 60 Mas, tomando a palavra, a mãe disse: “Não; há-de chamar-se João.” 61 Disseram-lhe: “Não há ninguém na tua família que tenha esse nome.” 62 Então, por sinais, perguntaram ao pai como queria que ele se chamasse. Pedindo uma placa, o pai escreveu: “O seu nome é João.” (Lc 1,57-63)

O versículo 62 deste texto bem conhecido apresenta, aparentemente, uma dificuldade de interpretação. Em Lc 1,20 lemos: Vais ficar mudo, sem poder falar, até ao dia em que tudo isto acontecer, por não teres acreditado nas minhas palavras, que se cumprirão na altura própria. A tradução deste versículo pode começar de outro modo: Vais ficar em silêncio e sem capacidade (força) para falar. Não é absolutamente linear que o verbo siwpáw signi…

FRUTOS DA TERRA E DO TRABALHO DO HOMEM

(Depois da minha homilia no passado domingo na solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, muitos mostraram-se interessados acerca da simbologia do Pão e do Vinho. Aproveito para partilhar o texto ao qual me inspirei para a minha homilia. O texto é de Enzo Bianchi, prior da comunidade de Bose - Itália)
É significativo que a palavra “Pão” apareça ao início da Bíblia sob o signo do trabalho, da fadiga, do suor: “comerás o pão com o suor da tua testa” (Gen 3, 19). De facto o pão significa antes de tudo comida, aquilo que sustém o homem, aquilo que é absolutamente necessário e que o homem deve procurar com o duro trabalho da terra. Quando à palavra “vinho”, ela aparece pela primeira vez no episódio de Noé, o patriarca supérstite do dilúvio  o qual, plantou uma vinha para se consolar e das uvas fez o vinho e bebendo-o embriagou-se (Gen 9,20-21). Assim o vinho é consolação mas também é capaz de provocar comportamentos indignos de um homem.  Mas, eis que quando a história aparece inequivocamente c…

Aos pés da Cruz!

Muitas pessoas presenciaram curiosos a crucifixão de Cristo no alto do Calvário.  São muitos os que assistiam atónitos ao suplício de um homem inocente. mas, são poucos os que ficaram aos pés da cruz: a mãe de Jesus; a irmã de Maria de Nazaré, Maria de Cleofas e Maria de Magdala, e nos assegura mais a frente o evangelista que perto da mãe estava também o discípulo amado de Jesus. Um pequeno grupo de pessoas. Somente um pequeno grupo de fidelíssimos têm a coragem de não fugir e testemunhar a própria fé Nele. Somente poucos audazes, juntamente com Maria têm a coragem de suportar com Cristo a dor e o sofrimento por uma morte injusta. Hoje, na Solenidade da Virgem das Dores somos chamados a contemplar Jesus no maior gesto de obediência da sua história. Somos chamados a olhar para Cristo e o mistério da nossa salvação, através do olhar da Mãe.  Contemplar este drama na vida da família de Nazaré, o último evento que Maria vive com o Filho, é quase entrar nos sentimentos de uma mãe com um fil…