Avançar para o conteúdo principal

Ser Frei Capuchinho? Mas como?


A proposta vocacional dos freis capuchinhos visa antes de tudo ajudar o jovem que batem à nossa porta a fazer um discernimento sério e sereno da vontade de Deus a seu respeito e ajudá-lo a responder com prontidão e generosidade. Por isso temos todo um percurso formativo que propomos aos nossos candidatos. 
Antes de chegarem às etapas formativas, temos todos os anos acampamento vocacional, onde são admitidos os candidatos que desejam e estejam preparados para a primeira experiência connosco em fraternidade. Para que os candidatos possam chegar até nós, servem-se muitas vezes de diversos meios para iniciar a nossa vida franciscana capuchinha. E porque o Senhor serve de muitas pessoas para convidar os outros jovens à uma vida de perfeição e porque não vai encontrar pessoas perfeitas que estão num processo de discernimento, são escolhidas pessoas já com uma certa experiência de vida, para estar a frente da formação e sim, ajudar os recém chegados a começar uma nova orientação de vida. Mas como veremos a formação não se limita aos iniciados, mas a todos que estão neste processo.
O nosso itinerário formativo é composto por seis fases:
1. Aspirantado externo ou familiar
É um tempo, depois dos primeiros contactos, de acompanhamento vocacional através de encontros, diálogos e retiros sendo que o jovem candidato continua em sua casa maturando, com ajuda dos frades e da fraternidade mais próxima, a sua própria vocação em vista a iniciar uma caminhada mais de perto.
2. Aspirantado interno
O Aspirantado interno começa no dia em que um jovem, admitido pelo Ministro Vice-Provincial, entra na nossa Fraternidade de S. Vicente sob a responsabilidade formativa do Frei Napoleão Gomes. A formação baseia-se na formação humana, cristã e académica. Neste momento são nove (9) os nossos aspirantes internos: 1 de Fogo, 1 de São Vicente, 3 de Santiago, 1 de Brava, 3 de Santo Antão. 
3. Postulantado
O postulantado encontra-se na Fraternidade de S. Lourenço na Ilha do Fogo sob a responsabilidade do Frei Ademário Delgado. A formação dos postulantes tem como objectivo, sobretudo, aperfeiçoar a catequese da fé e compreende a introdução à Liturgia, aos métodos de Oração, à formação Franciscana e uma primeira experiência de actividade apostólica e tem a duração de nove meses. Neste momento são três (3) os nossos postulantes, Yuri (Cidade da Praia), Ravilson (Porto Novo) e Patrick  (Brava). Se tudo correr bem iniciarão o noviciado em Agosto. 
4. Noviciado
O noviciado encontra-se na Fraternidade da Ilha Brava sobre a responsabilidade do Mestre Frei Matias Silva. O noviciado é uma fase de intensa formação da nossa vida franciscana capuchinha, sem estudos académicos afim de uma maior interiorização da nossa vida. O candidato deve ganhar maturidade para abraçar o projecto de Deus nesta Ordem. Segundo as nossas constituições (cap.II, IV, 29), é uma fase de iniciação mais intensa e uma experiência mais profunda da vida Evangélica Franciscana-Capuchinha. No fim do Noviciado faz-se a primeira profissão dos conselhos evengélicos e recebe-se o hábito (batina) capuchinho. Neste momento temos 3 noviços, Frei Tiago e Frei Bruno da província portuguesa e Frei Emanuel da nossa Vice Província. Se Deus quiser farão a sua profissão religiosa na segunda quinzena de Agosto.
5. Pós-Noviciado
O pós-Noviciado é o período durante o qual os irmãos, prosseguindo num crescimento e amadurecimento, se preparam para a opção definitiva da nossa vida evangélica a assumir pela profissão perpétua. Essa etapa não deve ser me mais breve do que três anos e nem mais longo do que seis. A formação basea-se no estudo mais profundo da Sagrada Escritura, da Teologia Espiritual, da Liturgia, da História e da Espiritualidade da Ordem e académica. Neste momento são 12 os nossos pós-Noviços que estudam em Cabo Verde, Portugal e Italia sendo dois deles estagiários.
6. Formação Permanente:
A Formação Permanente é o processo de renovação pessoal e comunitária, que se destina a todos os irmãos. Cabe a todos os frades de Profissão Perpétua zelar pela sua formação permanente, porém, ao nível da vice-província há um responsável pela formação permanente, e ao nível de cada fraternidade local, os guardiães zelam pela formação de cada um dos irmãos.
CRISTO CHAMA-TE, FRANCISCO INDICA-TE UM CAMINHO.
Caro jovem, Deus, na sua bondade, chama todos os fiéis da Igreja à perfeição da caridade, nos diversos estados de vida, para promover a santidade de cada um e a salvação do mundo.
Cada um deve dar uma resposta de amor a esta vocação, com a máxima liberdade, de modo que assim a dignidade da pessoa humana se concilie com a vontade de Deus.
Nós os capuchinhos fazemos de tudo para que sob a sabedoria do Espirito Santo, nosso primeiro animador, ajudar os nossos vocacionados a discernirem seriamente a vontade de Deus e o melhor caminho para se formarem porque são eles os continuadores do ideal franciscano-capuchinho nestas ilhas do Atlântico.
Nosso Seráfico Pai nos ilumine com seu carisma de "homem todo evangélico", para que saibamos viver com simplicidade nossa vocação capuchinha.

NB: Se és jovem e esta breve leitura despertou em ti o desejo de conhecer melhor os freis capuchinhos então entre em contacto connosco. Estamos em: Santo Antão: 2221295; São Vicente: 2324208; São Nicolau: 2351209 ou 2361143;  Santiago: 2647304; Fogo: 2812587; Brava: 2851344
Bom caminho!

Comentários

Aqui escreves TU

Zacarias, o mudo que fala de Deus!

"Entretanto, chegou o dia em que Isabel devia dar à luz e teve um filho. 58 Os seus vizinhos e parentes, sabendo que o Senhor manifestara nela a sua misericórdia, rejubilaram com ela. 59 Ao oitavo dia, foram circuncidar o menino e queriam dar-lhe o nome do pai, Zacarias. 60 Mas, tomando a palavra, a mãe disse: “Não; há-de chamar-se João.” 61 Disseram-lhe: “Não há ninguém na tua família que tenha esse nome.” 62 Então, por sinais, perguntaram ao pai como queria que ele se chamasse. Pedindo uma placa, o pai escreveu: “O seu nome é João.” (Lc 1,57-63)

O versículo 62 deste texto bem conhecido apresenta, aparentemente, uma dificuldade de interpretação. Em Lc 1,20 lemos: Vais ficar mudo, sem poder falar, até ao dia em que tudo isto acontecer, por não teres acreditado nas minhas palavras, que se cumprirão na altura própria. A tradução deste versículo pode começar de outro modo: Vais ficar em silêncio e sem capacidade (força) para falar. Não é absolutamente linear que o verbo siwpáw signi…

FRUTOS DA TERRA E DO TRABALHO DO HOMEM

(Depois da minha homilia no passado domingo na solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, muitos mostraram-se interessados acerca da simbologia do Pão e do Vinho. Aproveito para partilhar o texto ao qual me inspirei para a minha homilia. O texto é de Enzo Bianchi, prior da comunidade de Bose - Itália)
É significativo que a palavra “Pão” apareça ao início da Bíblia sob o signo do trabalho, da fadiga, do suor: “comerás o pão com o suor da tua testa” (Gen 3, 19). De facto o pão significa antes de tudo comida, aquilo que sustém o homem, aquilo que é absolutamente necessário e que o homem deve procurar com o duro trabalho da terra. Quando à palavra “vinho”, ela aparece pela primeira vez no episódio de Noé, o patriarca supérstite do dilúvio  o qual, plantou uma vinha para se consolar e das uvas fez o vinho e bebendo-o embriagou-se (Gen 9,20-21). Assim o vinho é consolação mas também é capaz de provocar comportamentos indignos de um homem.  Mas, eis que quando a história aparece inequivocamente c…

Aos pés da Cruz!

Muitas pessoas presenciaram curiosos a crucifixão de Cristo no alto do Calvário.  São muitos os que assistiam atónitos ao suplício de um homem inocente. mas, são poucos os que ficaram aos pés da cruz: a mãe de Jesus; a irmã de Maria de Nazaré, Maria de Cleofas e Maria de Magdala, e nos assegura mais a frente o evangelista que perto da mãe estava também o discípulo amado de Jesus. Um pequeno grupo de pessoas. Somente um pequeno grupo de fidelíssimos têm a coragem de não fugir e testemunhar a própria fé Nele. Somente poucos audazes, juntamente com Maria têm a coragem de suportar com Cristo a dor e o sofrimento por uma morte injusta. Hoje, na Solenidade da Virgem das Dores somos chamados a contemplar Jesus no maior gesto de obediência da sua história. Somos chamados a olhar para Cristo e o mistério da nossa salvação, através do olhar da Mãe.  Contemplar este drama na vida da família de Nazaré, o último evento que Maria vive com o Filho, é quase entrar nos sentimentos de uma mãe com um fil…