Avançar para o conteúdo principal

São Francisco e os jovens!


São muitos os que se deixam fascinar por São Francisco de Assis, mas sobretudo os  jovens. É raro encontrar um jovem que não tenha ouvido falar  dele. Muitosconhecem até muito da vida e do ideal de São Francisco. Alguns deles ficam de tal maneira tocados por este ideal que, no melhor da sua juventude, decidem seguir Jesus ao jeito de Francisco. Entram nos noviciados das diversas Ordens e Congregações da Família Franciscana. São aos milhares em todo o mundo. Recordemos, ainda que brevemente, o itinerário do jovem Francisco e o modo como enfrentou os problemas da sua juventude, que são os problemas dos jovens de todos os tempos.
Antes de mais, convém lembrar que característico de qualquer jovem é (pelo menos deveria ser!) aPAIXÃO PELA VIDA. Francisco foi um jovemAPAIXONADO PELA VIDA. Havia nele um ideal apaixonante, uma direcção certa, um coração vibrante, uma razão de viver. Quando muitos jovens hoje não têm outros IDEAIS na vida se não ser um profissional brilhante, ter um carro para aparecer, pertencer a uma família de renome, realizar um casamento importante... Francisco buscou ideais que não envelhecem e que satisfazem profundamente o coração humano. Uma das ânsias mais profundas dos jovens é a LIBERDADE. Amor livre! Libertação da Família!Libertação da influência dos adultos! Liberdade para amar! Liberdade para se fazer o que se quer!... Assim, tantas vezes foge de casa porque não se julga compreendido. Outras vezes critica os pais, que não o deixam livre, pois não permitem que se vá divertir numa discoteca ou numa festa de aniversário... Enquanto as pessoas buscam a liberdade para satisfazer os seus caprichos pessoais, voltadas para si mesmas, FRANCISCO, num determinado momento da sua juventude, diante do Bispo de Assis, despindo todas a suas roupas, rompe com a família e com as autoridades. Torna-se um homem LIVRE. Livre PARA SERVIR. Servir Deus e o próximo.
Uma experiência muito própria dos jovens, sobretudo os de hoje, é a experiência da FRUSTRAÇÃO e do VAZIO. Também o jovem Francisco a sentiu. Ele era rico, tinha muitos amigos, era o rei das festas da juventude. Um dia, porém, caiu gravemente doente. Sentiu a verdade dos seus valores, dos seus sonhos. Sentiu o vazio, o aborrecimento, a noção da inutilidade. Foi capaz, contudo, de vencer esta crise porque houve nele uma MUDANÇA DE VALORES.
O tempo da adolescência e da juventude é também o momento da descoberta da amizade e do AMOR, sobretudo em relação à pessoa do outro sexo. BEIJOS, abraços e carícias, reciprocamente trocados, ocupam um lugar de relevo no mundo afectivo do adolescente e do jovem que começa a sair de si e a abrir-se à pessoa amada. O jovem Francisco foi capaz de ir ainda mais longe. Foi capaz de beijar um leproso, um trapo humano, um banido da sociedade. E viu nele o próprio Deus. Só um coração como o de Francisco podia amar assim, dar-se totalmente. Não só à pessoa amada, mas a todos!
Um dos pontos críticos dos jovens é a sua relação com a IGREJA. São, de facto, muitos os jovens que hoje não ligam nada à Igreja: ao que ela é, ao que ela diz, ao que ela faz. Vêem a Igreja como uma alienada e mantêm em relação a ela uma atitude muito crítica e por vezes até destrutiva. Frequentemente invocam os seus muitos pecados. FRANCISCO vê uma Igreja em ruínas. Não critica. Não destrói. Sabendo que ele também era Igreja, constrói, dá o melhor de si mesmo na reconstrução da Igreja do seu tempo. Nunca nos esqueçamos que cada um de nós é a solução para uma Igreja nova e renovada. Particularmente os jovens. A Igreja deposita neles uma grande esperança. E, lembra João Paulo II, a Igreja tem tanta coisa a dizer aos jovens, e os jovens tanta coisa a dizer à Igreja!
Finalmente, é próprio dos jovens uma atitude de busca e de PROCURA. E tantas vezes se perdem por caminhos que não conduzem à verdade total e à verdadeira felicidade. O jovem FRANCISCO andava à procura. Encontrou a resposta nas palavras de Cristo. Encontrou a sua missão e executou-a. "É isso que eu quero, é isso que eu procuro, é isso que eu desejo fazer de todo o coração" - exclama Francisco cheio de alegria. A Francisco juntou-se um grupo de idealistas e de loucos, cujo ideal e loucura era o de viver o Evangelho de Jesus.
O mundo de hoje precisa de muitos loucos, como São Francisco de Assis. HOJE, SÃO FRANCISCO PODES SER TU, JOVEM, quando procuras viver os valores e a mensagem de Francisco. Alguns destes valores exercem um fascínio especial sobre os jovens. Outros são resposta a algumas necessidades e apelos do nosso tempo, que deposita nos jovens muitas esperanças na construção dum futuro melhor. Lembremos só alguns destes VALORES:
:: a intimidade profunda com Jesus, num mundo cada vez mais materialista e ao mesmo tempo com fome de Deus;
:: o Evangelho feito vida, num mundo cansado de ouvir palavras que não produzem frutos de vida;
:: a fraternidade universal, num mundo onde os países derrubam as fronteiras e as pessoas se fecham cada vez mais na solidão;
:: a paz - vivida e comunicada a todos -, num mundo onde as negociações de paz não conseguem pôr fim à guerra;
:: a ecologia que consegue ver a Beleza de Deus na das criaturas, num mundo ameaçado pelos projectos utilitaristas dum homem que pretende ser senhor absoluto de tudo e de todos.
in São Francisco de Assis, um homem que amou o mundo,
por Wilson João

Comentários

Aqui escreves TU

Zacarias, o mudo que fala de Deus!

"Entretanto, chegou o dia em que Isabel devia dar à luz e teve um filho. 58 Os seus vizinhos e parentes, sabendo que o Senhor manifestara nela a sua misericórdia, rejubilaram com ela. 59 Ao oitavo dia, foram circuncidar o menino e queriam dar-lhe o nome do pai, Zacarias. 60 Mas, tomando a palavra, a mãe disse: “Não; há-de chamar-se João.” 61 Disseram-lhe: “Não há ninguém na tua família que tenha esse nome.” 62 Então, por sinais, perguntaram ao pai como queria que ele se chamasse. Pedindo uma placa, o pai escreveu: “O seu nome é João.” (Lc 1,57-63)

O versículo 62 deste texto bem conhecido apresenta, aparentemente, uma dificuldade de interpretação. Em Lc 1,20 lemos: Vais ficar mudo, sem poder falar, até ao dia em que tudo isto acontecer, por não teres acreditado nas minhas palavras, que se cumprirão na altura própria. A tradução deste versículo pode começar de outro modo: Vais ficar em silêncio e sem capacidade (força) para falar. Não é absolutamente linear que o verbo siwpáw signi…

FRUTOS DA TERRA E DO TRABALHO DO HOMEM

(Depois da minha homilia no passado domingo na solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, muitos mostraram-se interessados acerca da simbologia do Pão e do Vinho. Aproveito para partilhar o texto ao qual me inspirei para a minha homilia. O texto é de Enzo Bianchi, prior da comunidade de Bose - Itália)
É significativo que a palavra “Pão” apareça ao início da Bíblia sob o signo do trabalho, da fadiga, do suor: “comerás o pão com o suor da tua testa” (Gen 3, 19). De facto o pão significa antes de tudo comida, aquilo que sustém o homem, aquilo que é absolutamente necessário e que o homem deve procurar com o duro trabalho da terra. Quando à palavra “vinho”, ela aparece pela primeira vez no episódio de Noé, o patriarca supérstite do dilúvio  o qual, plantou uma vinha para se consolar e das uvas fez o vinho e bebendo-o embriagou-se (Gen 9,20-21). Assim o vinho é consolação mas também é capaz de provocar comportamentos indignos de um homem.  Mas, eis que quando a história aparece inequivocamente c…

O carinho do Papa Francisco que irrita muitos padres

É uma coisa maravilhosa mas, por exemplo, também João Paulo II foi à cadeia encontrar o seu assassino Ali Agca. Mas desta vez, aposto, acontecerá que alguém da minha paróquia me perguntará porque razão, a partir do momento que o Papa foi até Calábria, porque eu não vou nem mesmo visitar a senhora Pina que habita numa casa popular, e passou todo o inverno sem aquecimento porque não se fez a reparação no sistema. Sempre em Calábria, na missa da tarde de ontem disse: “a ‘ndrangheta é isto: adoração do mal e desprezo do bem comum”, “os maviosos, não estão em comunhão com Deus, são excomungados” e a minha gente não fará comparação com João Paulo II em Agrigento, mas perguntará a mim porque nas minhas homilias sou assim tão politically corect Sempre ontem, de manhã aos padres como eu dizia que não devemos pôr “ao centro nós mesmos e assim em vez de sermos canais tornamo-nos ecrãs” e estou certo que basta me sentar no confessionário e escutar com superficialidade, alguém, seguramente, me r…