Avançar para o conteúdo principal

Eu posso escolher?


Quem escolho ser? Quem devo escolher? Mas, eu posso escolher? 
São três questões fundamentais e fortemente ligadas entre si e que mexem profundamente comigo e com minha vida porque as suas respectivas respostas tocam todo o meu ser. E, se realmente devo dar-lhes uma resposta, é necessário começar de trás para frente para poder encontrar um sentido... 

Posso escolher? 
Na minha vida fui muitas vezes "obrigado" a escolher algo, a tomar uma decisão mais ou menos importante para mim e para minha vida e confesso que depois de uma inicial perplexidade e medo, senti quase sempre uma alegria crescente e a sensação de ter feito a escolha certa. As incertezas, pouco a pouco, foram-se dissipando e aquelas estrelas que pareciam tão distantes tornaram-se cada vez mais evidentes, perto de mim que até podiam ser tocadas, abraçadas, e tudo porque eu tentei, acreditei e, acreditei em mim mesmo, na minha liberdade... 

Quem devo escolher? 
As minhas escolhas condicionam a minha vida, disto sou consciente, mas muitas vezes deixo que sejam os outros a decidirem por mim, deixo-me influenciar preferindo a companhia dos outros e não a companhia que seria se eu fosse verdadeiramente eu mesmo, talvez aquela companhia crente, próprio do discípulo que com Jesus se constroe na escola da vida. É difícil sentir-se aceite pelo que se é, especialmente se somos um tanto originais ao ponto de preferir escolher alguém que os outros ignoram ou simplesmente fazem pouco caso...

Quem escolho ser? 
Como posso, então, na fragilidade e pequenez das minhas dúvidas quotidianas, ter a coragem de tomar alguma decisão, para mim, sobre mim? É difícil explicar tudo isso com palavras, é mais fácil compartilhar aquilo que provei e experimentei... não sei bem o porquê, mas muitas vezes "ouvi" que era a coisa certa, a escolha certa e a pessoa certa para mim. Algo dentro de mim, uma força muito maior do que eu e que ultrapassa-me, mas é capaz de fazer-me entender concretamente quando é o momento certo para escolher quem devo ser! É hoje o momento em que sem importar-me com o que os outros pensam de mim, como deveria ser aos seus olhos: no hoje de cada instante escolho o que para mim é importante: antes de tudo, a mim mesmo, porque se há alguém que vale a pena escolher, este alguém sou eu e depois... Ele, Jesus, um dos poucos que me guia pela mão, para não me perder, e não desfruta das minhas derrotas, mas é sempre pronto a (re)apostar tudo em mim... para mim... e tudo na máxima liberdade. É um dos poucos "amigos" que procura e pede para ser aceite como um companheiro de viagem por este mundo afora. Numa aventura sem igual. Aceitando-o na minha existência descobri, não sem surpresas, que afinal foi ele que escolheu-me e, maravilhosamente, antes que fosse formato no seio da minha mãe! Que estupendo!!!
Vem tu também e seja um frei capuchinho

NB: Se és jovem e esta breve leitura despertou em ti o desejo de conhecer melhor os freis capuchinhos então entre em contacto connosco. Estamos em: Santo Antão: 2221295; São Vicente: 2324208; São Nicolau: 2351209 ou 2361143;  Santiago: 2647304; Fogo: 2812587; Brava: 2851344
Bom caminho!

Comentários

Aqui escreves TU

Zacarias, o mudo que fala de Deus!

"Entretanto, chegou o dia em que Isabel devia dar à luz e teve um filho. 58 Os seus vizinhos e parentes, sabendo que o Senhor manifestara nela a sua misericórdia, rejubilaram com ela. 59 Ao oitavo dia, foram circuncidar o menino e queriam dar-lhe o nome do pai, Zacarias. 60 Mas, tomando a palavra, a mãe disse: “Não; há-de chamar-se João.” 61 Disseram-lhe: “Não há ninguém na tua família que tenha esse nome.” 62 Então, por sinais, perguntaram ao pai como queria que ele se chamasse. Pedindo uma placa, o pai escreveu: “O seu nome é João.” (Lc 1,57-63)

O versículo 62 deste texto bem conhecido apresenta, aparentemente, uma dificuldade de interpretação. Em Lc 1,20 lemos: Vais ficar mudo, sem poder falar, até ao dia em que tudo isto acontecer, por não teres acreditado nas minhas palavras, que se cumprirão na altura própria. A tradução deste versículo pode começar de outro modo: Vais ficar em silêncio e sem capacidade (força) para falar. Não é absolutamente linear que o verbo siwpáw signi…

FRUTOS DA TERRA E DO TRABALHO DO HOMEM

(Depois da minha homilia no passado domingo na solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, muitos mostraram-se interessados acerca da simbologia do Pão e do Vinho. Aproveito para partilhar o texto ao qual me inspirei para a minha homilia. O texto é de Enzo Bianchi, prior da comunidade de Bose - Itália)
É significativo que a palavra “Pão” apareça ao início da Bíblia sob o signo do trabalho, da fadiga, do suor: “comerás o pão com o suor da tua testa” (Gen 3, 19). De facto o pão significa antes de tudo comida, aquilo que sustém o homem, aquilo que é absolutamente necessário e que o homem deve procurar com o duro trabalho da terra. Quando à palavra “vinho”, ela aparece pela primeira vez no episódio de Noé, o patriarca supérstite do dilúvio  o qual, plantou uma vinha para se consolar e das uvas fez o vinho e bebendo-o embriagou-se (Gen 9,20-21). Assim o vinho é consolação mas também é capaz de provocar comportamentos indignos de um homem.  Mas, eis que quando a história aparece inequivocamente c…

O carinho do Papa Francisco que irrita muitos padres

É uma coisa maravilhosa mas, por exemplo, também João Paulo II foi à cadeia encontrar o seu assassino Ali Agca. Mas desta vez, aposto, acontecerá que alguém da minha paróquia me perguntará porque razão, a partir do momento que o Papa foi até Calábria, porque eu não vou nem mesmo visitar a senhora Pina que habita numa casa popular, e passou todo o inverno sem aquecimento porque não se fez a reparação no sistema. Sempre em Calábria, na missa da tarde de ontem disse: “a ‘ndrangheta é isto: adoração do mal e desprezo do bem comum”, “os maviosos, não estão em comunhão com Deus, são excomungados” e a minha gente não fará comparação com João Paulo II em Agrigento, mas perguntará a mim porque nas minhas homilias sou assim tão politically corect Sempre ontem, de manhã aos padres como eu dizia que não devemos pôr “ao centro nós mesmos e assim em vez de sermos canais tornamo-nos ecrãs” e estou certo que basta me sentar no confessionário e escutar com superficialidade, alguém, seguramente, me r…