Avançar para o conteúdo principal

Como "funcionam" os Capuchinhos?


Os Irmãos (ou Freis) Capuchinhos vivem em Fraternidades ou Comunidades locais, animadas por um Superior («Guardião»). Várias destas fraternidades de uma região ou país constituem uma Província, orientada por um Ministro Provincialassistido por 4 Conselheiros Provinciais (ou «Definidores»), um e outros eleitos num Capítulo Provincial reunido cada 3 anos e em que participa um determinado número de Irmãos Capitulares «democraticamente» eleitos por toda a Província.
A totalidade das Províncias constitui a Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, governada por um Ministro Geral assistido por 8 Conselheiros (ou «Definidores») Gerais representativos dos vários grupos linguísticos do Mundo, eleitos em Capítulo Geral convocado cada 6 anos por altura do Pentecostes, e em que participam todos os Ministros Provinciais da Ordem.
Os Superiores locais são escolhidos pelo Ministro Provincial e seu Conselho, que também distribuem os irmãos pelas várias Fraternidades locais e Serviços Provinciais. O Ministro Provincial é confirmado pelo Ministro Geral e seu Conselho, e tanto um como outro podem ser reeleitos.
Os Frades, após um ano de Noviciado, precedido pelo tempo de formação básica e um período de Postulantado, professam na Ordem por um ou três anos, prometendo viver segundo o Evangelho e observar a Regra de São Francisco para os Frades Menores, cumprindo os votos ou conselhos evangélicos de Pobreza, Obediência e Castidade. Três anos após a primeira Profissão (ou mais, segundo os casos), os Frades que tiverem pelo menos 21 anos, fazem essa mesma Profissão religiosa para toda a vida, assumindo a plenitude de direitos e obrigações dentro da Ordem, segundo o Direito e a própria Lei fundamental, ou Constituições (que são uma concretização e actualização do espírito da Regra).
Uns irmãos são clérigos (quer dizer, além de frades são também padres), outros são não clérigos. Mas todos têm os mesmos direitos e obrigações dentro da Ordem e gozam de voz activa e passiva para os mesmos cargos. Antes, os irmãos escolhidos pela Igreja para o Episcopado ficavam juridicamente desvinculados da Ordem; agora, continuam unidos a ela.
A Vice Província de Cabo Verde dos Frades Menores Capuchinhos e as várias Províncias da África Ocidental constituem a Conferência dos Capuchinhos da África Ocidental (Concao). Periodicamente, é convocado o Conselho Plenário da Ordem, estrutura que está para a Ordem como os Sínodos estão para a Igreja. Nele participam Delegados eleitos pelas várias «Conferências» da Ordem e outros nomeados pessoalmente pelo Ministro Geral e seu Conselho.
actualmente, a Vice Província dos Capuchinhos em Cabo Verde conta com os seguintes membros a viverem em Cabo Verde (Brava, Fogo, Santiago, São Nicolau, São Vicente, Santo Antão), em Portugal e em Itália: 28 freis de profissão perpétua (sendo 22 padres e 5 não padres)  e 12 de profissão simples (sendo 2 estagiários e 10 estudantes de Teologia em Portugal e em Itália). Contamos ainda com 1 noviço, 3 postulantes e 9 aspirantes internos.  

NB: Se és jovem e esta breve leitura despertou em ti o desejo de conhecer melhor os freis capuchinhos então entre em contacto connosco. Estamos em: Santo Antão: 2221295; São Vicente: 2324208; São Nicolau: 2351209 ou 2361143;  Santiago: 2647304; Fogo: 2812587; Brava: 2851344
Bom caminho!

Comentários

Aqui escreves TU

Zacarias, o mudo que fala de Deus!

"Entretanto, chegou o dia em que Isabel devia dar à luz e teve um filho. 58 Os seus vizinhos e parentes, sabendo que o Senhor manifestara nela a sua misericórdia, rejubilaram com ela. 59 Ao oitavo dia, foram circuncidar o menino e queriam dar-lhe o nome do pai, Zacarias. 60 Mas, tomando a palavra, a mãe disse: “Não; há-de chamar-se João.” 61 Disseram-lhe: “Não há ninguém na tua família que tenha esse nome.” 62 Então, por sinais, perguntaram ao pai como queria que ele se chamasse. Pedindo uma placa, o pai escreveu: “O seu nome é João.” (Lc 1,57-63)

O versículo 62 deste texto bem conhecido apresenta, aparentemente, uma dificuldade de interpretação. Em Lc 1,20 lemos: Vais ficar mudo, sem poder falar, até ao dia em que tudo isto acontecer, por não teres acreditado nas minhas palavras, que se cumprirão na altura própria. A tradução deste versículo pode começar de outro modo: Vais ficar em silêncio e sem capacidade (força) para falar. Não é absolutamente linear que o verbo siwpáw signi…

FRUTOS DA TERRA E DO TRABALHO DO HOMEM

(Depois da minha homilia no passado domingo na solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, muitos mostraram-se interessados acerca da simbologia do Pão e do Vinho. Aproveito para partilhar o texto ao qual me inspirei para a minha homilia. O texto é de Enzo Bianchi, prior da comunidade de Bose - Itália)
É significativo que a palavra “Pão” apareça ao início da Bíblia sob o signo do trabalho, da fadiga, do suor: “comerás o pão com o suor da tua testa” (Gen 3, 19). De facto o pão significa antes de tudo comida, aquilo que sustém o homem, aquilo que é absolutamente necessário e que o homem deve procurar com o duro trabalho da terra. Quando à palavra “vinho”, ela aparece pela primeira vez no episódio de Noé, o patriarca supérstite do dilúvio  o qual, plantou uma vinha para se consolar e das uvas fez o vinho e bebendo-o embriagou-se (Gen 9,20-21). Assim o vinho é consolação mas também é capaz de provocar comportamentos indignos de um homem.  Mas, eis que quando a história aparece inequivocamente c…

Aos pés da Cruz!

Muitas pessoas presenciaram curiosos a crucifixão de Cristo no alto do Calvário.  São muitos os que assistiam atónitos ao suplício de um homem inocente. mas, são poucos os que ficaram aos pés da cruz: a mãe de Jesus; a irmã de Maria de Nazaré, Maria de Cleofas e Maria de Magdala, e nos assegura mais a frente o evangelista que perto da mãe estava também o discípulo amado de Jesus. Um pequeno grupo de pessoas. Somente um pequeno grupo de fidelíssimos têm a coragem de não fugir e testemunhar a própria fé Nele. Somente poucos audazes, juntamente com Maria têm a coragem de suportar com Cristo a dor e o sofrimento por uma morte injusta. Hoje, na Solenidade da Virgem das Dores somos chamados a contemplar Jesus no maior gesto de obediência da sua história. Somos chamados a olhar para Cristo e o mistério da nossa salvação, através do olhar da Mãe.  Contemplar este drama na vida da família de Nazaré, o último evento que Maria vive com o Filho, é quase entrar nos sentimentos de uma mãe com um fil…