Avançar para o conteúdo principal

Além das lágrimas

Se os olhos - como diziam os antigos - são o espelho da alma, as lágrimas são a manifestação dos seus imprevisíveis motes. Quando o oceano dos nossos afectos se transborda através do pranto, muitas vezes estamos envolvidos nas trevas e na desolação de uma noite profunda. Mas uma noite que chegou ao seu coração é uma noite que se encaminha para o seu fim. Esta foi a experiência de Maria Magdala, umas das mulheres que seguiu e serviu o Senhor Jesus desde quando era em Galileia até a sua subida para Jerusalém (cf. Mc 15,41). Nas palavras de liberdade e nos gestos de amor do Mestre, Maria tinha finalmente encontrado alguém - e não mais qualquer coisa - pelo qual chorar. A esta mulher o Senhor Ressuscitado não exitou confiar “o primeiro anúncio da alegria pascal” (Oração Colecta) quando era “ainda escuro” (Jo 20,1), antes da aurora.
Mas à grandeza do dom corresponde a intensidade da esperança, por causa da qual sobre o seu “leito, durante a noite” (Ct 3, 1), Maria não foi capaz de permanecer. Levantou-se, fez “a volta à cidade pelas estradas e pelas praças” com um só desejo: “quero procurar o amor da minha alma” (Ct 3,2). O coração não teve medo de procurar daquilo que a faltava, desafiou a noite com todos os seus terrores. Maria Madalena foi “para o sepulcro”, antes da aurora, na hora em que ainda falta a luz, e próprio então “viu que a pedra foi retirada do sepulcro” (Jo 20,1)
O seu sofrido e apaixonado itinerário cumpriu-se através da lágrimas que, como um indispensável colírio do coração, purificaram a sua capacidade de acolher na realidade os sinais do seu amado “Senhor” (Jo 20,13). O cume dramático do seu caminho de obstinada confiança no amor do Pai manifestado na carne do Filho aconteceu exactamente no momento em que “não sabia” (Jo 24,14) de ter já alcançado o seu desejo profundo: “mulher porque choras? Quem procuras?” (Jo 20,15).
Tudo isto torna-se para a Igreja - para nós - um belíssimo evangelho. Nos momento em que temos a impressão de estar imersos numa interminável obscuridade, quando o peso da realidade nos parece insuportável, somente a imprudência do amor podem conduzir-nos ao encontro com o Senhor resuscitado. A esperança da vida que não termina abre espaços dentro de nós quando é ainda escuro, quando as coisas restam envolvidas na penumbra, privadas de sentido e direcção. A alegria da ressurreição de Cristo é um impalpável felicidade que não pode nunca ser agarrada - “não me segures” (Jo 20,17), diz o ressuscitado a Maria - mas sempre pode e quer iluminar o nosso rosto. Não é a solução de todos os problemas de uma vida que, no fundo, deve continuar confiada ao exercício da nossa liberdade, no entanto é forças nos pés e canto nos lábio. A ressurreição do Senhor Jesus, de facto, é um mistério que não poder ser entendido. O Ressuscitado pode somente ser encontrado e anunciado, ontem como hoje, além das lágrimas: “Maria Madalena foi anunciar aos discípulos: “Eu vi o Senhor!”, e contou o que Jesus lhe tinha dito.” (Jo 20,18)

Comentários

Aqui escreves TU

Zacarias, o mudo que fala de Deus!

"Entretanto, chegou o dia em que Isabel devia dar à luz e teve um filho. 58 Os seus vizinhos e parentes, sabendo que o Senhor manifestara nela a sua misericórdia, rejubilaram com ela. 59 Ao oitavo dia, foram circuncidar o menino e queriam dar-lhe o nome do pai, Zacarias. 60 Mas, tomando a palavra, a mãe disse: “Não; há-de chamar-se João.” 61 Disseram-lhe: “Não há ninguém na tua família que tenha esse nome.” 62 Então, por sinais, perguntaram ao pai como queria que ele se chamasse. Pedindo uma placa, o pai escreveu: “O seu nome é João.” (Lc 1,57-63)

O versículo 62 deste texto bem conhecido apresenta, aparentemente, uma dificuldade de interpretação. Em Lc 1,20 lemos: Vais ficar mudo, sem poder falar, até ao dia em que tudo isto acontecer, por não teres acreditado nas minhas palavras, que se cumprirão na altura própria. A tradução deste versículo pode começar de outro modo: Vais ficar em silêncio e sem capacidade (força) para falar. Não é absolutamente linear que o verbo siwpáw signi…

FRUTOS DA TERRA E DO TRABALHO DO HOMEM

(Depois da minha homilia no passado domingo na solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, muitos mostraram-se interessados acerca da simbologia do Pão e do Vinho. Aproveito para partilhar o texto ao qual me inspirei para a minha homilia. O texto é de Enzo Bianchi, prior da comunidade de Bose - Itália)
É significativo que a palavra “Pão” apareça ao início da Bíblia sob o signo do trabalho, da fadiga, do suor: “comerás o pão com o suor da tua testa” (Gen 3, 19). De facto o pão significa antes de tudo comida, aquilo que sustém o homem, aquilo que é absolutamente necessário e que o homem deve procurar com o duro trabalho da terra. Quando à palavra “vinho”, ela aparece pela primeira vez no episódio de Noé, o patriarca supérstite do dilúvio  o qual, plantou uma vinha para se consolar e das uvas fez o vinho e bebendo-o embriagou-se (Gen 9,20-21). Assim o vinho é consolação mas também é capaz de provocar comportamentos indignos de um homem.  Mas, eis que quando a história aparece inequivocamente c…

O carinho do Papa Francisco que irrita muitos padres

É uma coisa maravilhosa mas, por exemplo, também João Paulo II foi à cadeia encontrar o seu assassino Ali Agca. Mas desta vez, aposto, acontecerá que alguém da minha paróquia me perguntará porque razão, a partir do momento que o Papa foi até Calábria, porque eu não vou nem mesmo visitar a senhora Pina que habita numa casa popular, e passou todo o inverno sem aquecimento porque não se fez a reparação no sistema. Sempre em Calábria, na missa da tarde de ontem disse: “a ‘ndrangheta é isto: adoração do mal e desprezo do bem comum”, “os maviosos, não estão em comunhão com Deus, são excomungados” e a minha gente não fará comparação com João Paulo II em Agrigento, mas perguntará a mim porque nas minhas homilias sou assim tão politically corect Sempre ontem, de manhã aos padres como eu dizia que não devemos pôr “ao centro nós mesmos e assim em vez de sermos canais tornamo-nos ecrãs” e estou certo que basta me sentar no confessionário e escutar com superficialidade, alguém, seguramente, me r…