Avançar para o conteúdo principal

Não ainda!


Depois de ter-nos exortado de todas as maneiras a seguir mais seriamente e mais amorosamente o Senhor Jesus no seu caminho, a Quaresma agora parece quase querer impedir-nos de dar qualquer passo em frente, como acontecera já com os primeiros discípulos. Na fraqueza de Judas que trai e na cobardice de Pedro de renega, contemplamos hoje a parte da nossa humanidade que não pode entrar em aliança com Deus antes de alcançada e salvada pelo seu amor.
O Mestre não é um ingénuo, conhece bem aqueles que escolheu, as suas fragilidade e os seus corações endurecidos. E, talvez, depois de três anos de vida em comum, no seu animo cresce o desconforto de quem não vê ainda os frutos de tanta generosa sementeira: “em vão me cansei , em vento e em nada gastei as minhas forças” (Is 49,4). Mas mais forte é seguramente o testemunho interior do amor fiel do Pai, que o Senho Jesus reconhece dentro de si como uma palavra segura e digna de fé: “Tu és o meu servo, em ti serei glorificado” (Is 39,3). O mestre compreende que chegou a hora muito especial, na qual a nada valeria escapar ou renunciar. Chegou a hora em que o perfume do amor de Deus precisa tornar-se como uma luz que se irradia até alcançar os extremos confins da vida e da morte.
Diante desta expansão luminosa encontrámos porém duas pessoas que não conseguem acolher a gratuidade do dom. Diante do perfume do homem autêntico, permanece o cheiro ultrapassado dos homens, desgostosa fragrância dos discípulos ainda inconscientes do dom de Deus e inconscientes da sua pobreza. Judas decidiu já de trair o Mestre porque não partilha o modo com que “Deus revelará a glória do Filho do Homem, e há-de revelá-la muito em breve” (Jo 13,32).
Jesus denuncia o tropeçamento presente no coração de Judas com um gesto elegantíssimo, com o qual transforma a traição em voluntária oferta: molhando um pedaço de pão lho deu (cf. Jo 13,26). Mas tem ainda Pedro, que ficou vencido pela sua vontade de poder: “daria a vida por ti” (Jo 13,37). Responde-lhe Jesus: “darias a vida por mim? Em verdade, em verdade te digo: não cantará o galo, antes de me teres negado três vezes!” (Jo 13,38) O problema de Pedro é ainda mais grave que o de Judas porque é velado, se esconde debaixo de um manto de heróico zelo. Pedro não compreendeu ainda que ser discípulo não significa dar a vida por Deus, mas acolher a sua vida que nos é oferecida e sucessivamente restituir-la aos irmãos por amor.
Se em Judas vemos o mal do qual somos salvados, em Pedro podemos reconhecer o bem do qual o Senhor deve também salvar-nos. O primeiro e o último dos discípulos representam a nossa humanidade que tropeça diante do gratuito e da caridade de Deus, um dom que não podemos nem negar (Judas) nem conquistar (Pedro), mas que devemos aprender a receber gratuitamente. É isto mesmo que o Senhor Jesus procura dizer com a sua consentimento que se faz comando: “o que tens a fazer fá-lo depressa” (Jo 13,27) e predição: “não cantará o galo, antes de me teres negado três vezes” (Jo 13,38).
O Mestre diz-nos em antecipação o nosso pecado, para que possamos compreender que ele (o pecado) não é capaz de parar o seu amor por nós. O perfume de Cristo precisa difundir-se próprio sobre este cheiro de falso zelo (Pedro) e de virilidade ferida (Judas), docemente, sem medo, para que se cumpra em nós e para nós toda a profecia de salvação.

Comentários

Aqui escreves TU

Zacarias, o mudo que fala de Deus!

"Entretanto, chegou o dia em que Isabel devia dar à luz e teve um filho. 58 Os seus vizinhos e parentes, sabendo que o Senhor manifestara nela a sua misericórdia, rejubilaram com ela. 59 Ao oitavo dia, foram circuncidar o menino e queriam dar-lhe o nome do pai, Zacarias. 60 Mas, tomando a palavra, a mãe disse: “Não; há-de chamar-se João.” 61 Disseram-lhe: “Não há ninguém na tua família que tenha esse nome.” 62 Então, por sinais, perguntaram ao pai como queria que ele se chamasse. Pedindo uma placa, o pai escreveu: “O seu nome é João.” (Lc 1,57-63)

O versículo 62 deste texto bem conhecido apresenta, aparentemente, uma dificuldade de interpretação. Em Lc 1,20 lemos: Vais ficar mudo, sem poder falar, até ao dia em que tudo isto acontecer, por não teres acreditado nas minhas palavras, que se cumprirão na altura própria. A tradução deste versículo pode começar de outro modo: Vais ficar em silêncio e sem capacidade (força) para falar. Não é absolutamente linear que o verbo siwpáw signi…

FRUTOS DA TERRA E DO TRABALHO DO HOMEM

(Depois da minha homilia no passado domingo na solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, muitos mostraram-se interessados acerca da simbologia do Pão e do Vinho. Aproveito para partilhar o texto ao qual me inspirei para a minha homilia. O texto é de Enzo Bianchi, prior da comunidade de Bose - Itália)
É significativo que a palavra “Pão” apareça ao início da Bíblia sob o signo do trabalho, da fadiga, do suor: “comerás o pão com o suor da tua testa” (Gen 3, 19). De facto o pão significa antes de tudo comida, aquilo que sustém o homem, aquilo que é absolutamente necessário e que o homem deve procurar com o duro trabalho da terra. Quando à palavra “vinho”, ela aparece pela primeira vez no episódio de Noé, o patriarca supérstite do dilúvio  o qual, plantou uma vinha para se consolar e das uvas fez o vinho e bebendo-o embriagou-se (Gen 9,20-21). Assim o vinho é consolação mas também é capaz de provocar comportamentos indignos de um homem.  Mas, eis que quando a história aparece inequivocamente c…

Aos pés da Cruz!

Muitas pessoas presenciaram curiosos a crucifixão de Cristo no alto do Calvário.  São muitos os que assistiam atónitos ao suplício de um homem inocente. mas, são poucos os que ficaram aos pés da cruz: a mãe de Jesus; a irmã de Maria de Nazaré, Maria de Cleofas e Maria de Magdala, e nos assegura mais a frente o evangelista que perto da mãe estava também o discípulo amado de Jesus. Um pequeno grupo de pessoas. Somente um pequeno grupo de fidelíssimos têm a coragem de não fugir e testemunhar a própria fé Nele. Somente poucos audazes, juntamente com Maria têm a coragem de suportar com Cristo a dor e o sofrimento por uma morte injusta. Hoje, na Solenidade da Virgem das Dores somos chamados a contemplar Jesus no maior gesto de obediência da sua história. Somos chamados a olhar para Cristo e o mistério da nossa salvação, através do olhar da Mãe.  Contemplar este drama na vida da família de Nazaré, o último evento que Maria vive com o Filho, é quase entrar nos sentimentos de uma mãe com um fil…