Avançar para o conteúdo principal

Missa que celebra Missa

Na linguagem litúrgica corrente, inclusive nos livros litúrgicos se intende como Tríduo Pascal o ciclo de três dias que vai de Quinta feira até Sábado Santo. Mas na origem da expressão litúriga estão os três dias dos quais se diz  no Credo: Ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras. Neste sentido, os três dias são aqueles que vão do momento da Cruz, portanto da Sexta Feira Santa, até ao Domingo da Ressurreição. Naqueles três dias (Sexta, Sábado e Domingo) a celebração eucarística é única, é tipicamente aquela da Vigília pascal. A grande Vigília que põe fim ao silêncio da Palavra feita carne e desceu na víscera  da terra.
Na Quinta Feira Santa celebra-se uma Missa chamada Ceia do Senhor. Esta recorda exactamente o gesto que Jesus fez na última Ceia. Na verdade, toda a celebração eucarística é feita em memória Dele, para pregar a sua morte, anunciar a sua ressurreição, na esperança da sua vinda gloriosa. Portanto, toda a celebração eucarística celebra sempre a Páscoa do Senhor.  A celebração da Quinta Feira Santa a duplica, por assim dizer. Fixa a nossa atenção e a nossa meditação sobre o gesto mediante o qual a memória da Páscoa é celebrada. Para usar uma formula paradoxal, podemos dizer que aquela de Quinta Feira Santa é uma Missa que celebra a própria Missa. 
Por esta sua natureza sui generis  a Missa da Quinta Feira Santa convida a retomar a reflexão sobre um tema empenhativo, e de particular urgência neste nosso tempo, muitas vezes qualificado como secular. Uma das maiores expressões da secularidade  é exactamente a dificuldade em compreender o sentido do momento ritual da religião, e sobretudo particá-lo na verdade. Sabemos todos muito bem como em especial a prática eucarística não é considerada por muitos cristãos seculares como momento alto da sua fé. Porém, o próprio Jesus deu esta ordem: “Fazei isto em memória de mim”. Mas porque Jesus quis confiar a um gesto ritual a memória da sua paixão?
Jesus durante a Última Ceia com os seus, constatando a impossibilidade de colocar na mente no coração dos discípulos a verdade sobre a sua paixão eminente, colocou tal verdade na boca deles. O seu gesto naquela noite pareceu, segundo toda a evidência, bastante obscuro aos discípulos. Todavia o Pão que eles comeram e o vinho que beberam, juntamente com as palavras de Jesus que acompanharam o gesto, permaneceu profundamente impresso na memória deles, incancelável  e ao mesmo tempo incompreensível.  Permaneceu impresso como uma pergunta à espera da resposta. 
Então aquele gesto pareceu obscuro como obscuras pareceram todas as palavras de Jesus pronunciadas naquela noite. Obscura, e até escandalosa, parece também e sobretudo a sua paixão e morte. 
Numa famosa página de Lucas se diz que dois discípulos encontraram Jesus depois da sua morte longo a estrada de Emaús. Imediatamente não o reconheceram, mas a conversa com aquele estrangeiro acendeu neles um desejo. Desejo do quê? Não saberiam responder com precisão mas em todo o caso sentiam o desejo de prolongar a sua presença. O reconheceram depois à volta de uma mesa no momento em que ele repartiu o pão. A narração  põe eficazmente em relevo como a memória do gesto da Ultima Ceia, que parecia um gesto materialmente incompreendido, se transforma o meio decisivo para realizar a intuição arcana e reconhecer a presença do Senhor ressuscitado. O rito é necessário exactamente por este motivo: os pensamentos da mente estão sempre atrasados em relação aos presságios segredos do coração. De facto, os dois discípulos, reconhecem como o encontro com o personagem desconhecido da estrada de Emaús estava atravessado por um presságio: “Não nos ardia o coração, quando Ele nos falava pelo caminho e nos explicava as Escrituras?” (Lc 24,32). O rito portanto fixa a memória daquilo que não se compreende mas que todavia não se pode esquecer. Mantém viva a esperança que se manifeste a verdade que até ao presente nos escapa.

Comentários

Aqui escreves TU

Zacarias, o mudo que fala de Deus!

"Entretanto, chegou o dia em que Isabel devia dar à luz e teve um filho. 58 Os seus vizinhos e parentes, sabendo que o Senhor manifestara nela a sua misericórdia, rejubilaram com ela. 59 Ao oitavo dia, foram circuncidar o menino e queriam dar-lhe o nome do pai, Zacarias. 60 Mas, tomando a palavra, a mãe disse: “Não; há-de chamar-se João.” 61 Disseram-lhe: “Não há ninguém na tua família que tenha esse nome.” 62 Então, por sinais, perguntaram ao pai como queria que ele se chamasse. Pedindo uma placa, o pai escreveu: “O seu nome é João.” (Lc 1,57-63)

O versículo 62 deste texto bem conhecido apresenta, aparentemente, uma dificuldade de interpretação. Em Lc 1,20 lemos: Vais ficar mudo, sem poder falar, até ao dia em que tudo isto acontecer, por não teres acreditado nas minhas palavras, que se cumprirão na altura própria. A tradução deste versículo pode começar de outro modo: Vais ficar em silêncio e sem capacidade (força) para falar. Não é absolutamente linear que o verbo siwpáw signi…

FRUTOS DA TERRA E DO TRABALHO DO HOMEM

(Depois da minha homilia no passado domingo na solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, muitos mostraram-se interessados acerca da simbologia do Pão e do Vinho. Aproveito para partilhar o texto ao qual me inspirei para a minha homilia. O texto é de Enzo Bianchi, prior da comunidade de Bose - Itália)
É significativo que a palavra “Pão” apareça ao início da Bíblia sob o signo do trabalho, da fadiga, do suor: “comerás o pão com o suor da tua testa” (Gen 3, 19). De facto o pão significa antes de tudo comida, aquilo que sustém o homem, aquilo que é absolutamente necessário e que o homem deve procurar com o duro trabalho da terra. Quando à palavra “vinho”, ela aparece pela primeira vez no episódio de Noé, o patriarca supérstite do dilúvio  o qual, plantou uma vinha para se consolar e das uvas fez o vinho e bebendo-o embriagou-se (Gen 9,20-21). Assim o vinho é consolação mas também é capaz de provocar comportamentos indignos de um homem.  Mas, eis que quando a história aparece inequivocamente c…

O carinho do Papa Francisco que irrita muitos padres

É uma coisa maravilhosa mas, por exemplo, também João Paulo II foi à cadeia encontrar o seu assassino Ali Agca. Mas desta vez, aposto, acontecerá que alguém da minha paróquia me perguntará porque razão, a partir do momento que o Papa foi até Calábria, porque eu não vou nem mesmo visitar a senhora Pina que habita numa casa popular, e passou todo o inverno sem aquecimento porque não se fez a reparação no sistema. Sempre em Calábria, na missa da tarde de ontem disse: “a ‘ndrangheta é isto: adoração do mal e desprezo do bem comum”, “os maviosos, não estão em comunhão com Deus, são excomungados” e a minha gente não fará comparação com João Paulo II em Agrigento, mas perguntará a mim porque nas minhas homilias sou assim tão politically corect Sempre ontem, de manhã aos padres como eu dizia que não devemos pôr “ao centro nós mesmos e assim em vez de sermos canais tornamo-nos ecrãs” e estou certo que basta me sentar no confessionário e escutar com superficialidade, alguém, seguramente, me r…