Avançar para o conteúdo principal

Voltar a crer e esperar!

Ó vós todos, que passais pelo caminho,
Olhai e vede se há dor igual à minha dor!” (Lm 1,12)

Cerca um mês atrás a pequena cidade de Ceva, onde vivo já alguns meses, foi abalada pela morte de um jovem de 24 anos vitima de um acidente automobilístico. Este trágico evento chocou profundamente todos os cebanos (aqueles que são de Ceva), de modo particular os jovens. Marco (assim se chamava a vitima) era muito conhecido e muito amado. Era um apaixonado pela montanha (como um bom piemontese) e pelo ciclismo. Quando uma vida (em qualquer idade mas sobretudo se jovem) é assim brutalmente e inesperadamente ceifada reacendem na consciência colectiva perguntas fundamentais sobre a nossa existência e sobre a possibilidade ou não da existência de Deus. Se ele existe as dúvidas e, compreensivamente, a revolta ganham proporções ainda maiores. Sobretudo se aqueles que se declaram crentes e, inclusive,  ministros deste Deus que definem como amor não souberam calar e rezar e tentarem “justificar” o sucedido reclamando o “destino” ou, pior ainda, a justiça de Deus. 
Os pais do saudoso Marco (Marco era filho único), frequentadores do nosso convento, depois de algum tempo de ausência, hoje voltaram para a Missa das cinco. No fim da Missa gentilmente quis cumprimentá-los e surpreendentemente, não sem algumas lágrimas,  disseram-me: “com a partida de Marco foi-se também um pedaço de nós e da nossa felicidade mas agora temos que encontrar forças para voltar a crer e a esperar”. Talvez quisessem da minha parte um discurso de consolação ou de confirmação mas eu não tive forças de pronunciar palavras limitei-me a abraçá-los e a segredar-lhes: “vos acompanho na oração”. Não sei se o meu abraço e a certeza da minha pobre oração transmitiram-lhes a minha veneração e a minha total sintonia com com a sua dor. 
Estou certo que estes pais, trespassados pela “espada da dor” como Maria mãe de Jesus, meditando a tragédia da morte de um filho único encontrarão uma forte relação com a morte de um Outro Filho único: Jesus. Estou certo que saberão, talvez daqui a tantos anos, a reler estas duas mortes dramáticas á luz da revelação de um Deus que é sempre fiável. Sim, porque o mistério da Cruz, depois de um inicial espavento e descrédito, possibilita curiosamente o aproximar-se e o afirmar-se de uma fé sem precedentes. (Cf. O centurião vendo Jesus morrer afirma: “verdadeiramente este homem era Filho de Deus”). Somente a presença daquele que atravessou a existência humana com todas as suas imprevisibilidades e dramaticidades, inclusive o sofrimento e a morte inocente, sem nunca deixar de fiar-se incondicionalmente no amor de um Deus que ele chama de Pai. Cristo crucificado é a única presença capaz de habitar e de encher a solidão do corpo e do espírito que experimentam aqueles, como os pais de Marco, a perda de um ente querido como um filho único. É a este “homem das dores” que eu não cesso de rezar para que possamos todos, quando formos visitados pela dor, pelo sofrimento e pela até morte, continuar com os olhos fixos em Deus e possamos, atravessado o deserto da solidão cantar com Francisco de Assis: “Louvado sejas tu, ò meu Senhor, pela nossa irmã a morte corporal”. Estou convencido que na sua cruz Jesus não somente redimiu o homem mediante o sofrimento, a dor e a morte mas o próprio sofrimento, a dor e a morte foram redimidas.  É a ele que confio esta família: os pais e o filho único: MARCO.

Comentários

Aqui escreves TU

Zacarias, o mudo que fala de Deus!

"Entretanto, chegou o dia em que Isabel devia dar à luz e teve um filho. 58 Os seus vizinhos e parentes, sabendo que o Senhor manifestara nela a sua misericórdia, rejubilaram com ela. 59 Ao oitavo dia, foram circuncidar o menino e queriam dar-lhe o nome do pai, Zacarias. 60 Mas, tomando a palavra, a mãe disse: “Não; há-de chamar-se João.” 61 Disseram-lhe: “Não há ninguém na tua família que tenha esse nome.” 62 Então, por sinais, perguntaram ao pai como queria que ele se chamasse. Pedindo uma placa, o pai escreveu: “O seu nome é João.” (Lc 1,57-63)

O versículo 62 deste texto bem conhecido apresenta, aparentemente, uma dificuldade de interpretação. Em Lc 1,20 lemos: Vais ficar mudo, sem poder falar, até ao dia em que tudo isto acontecer, por não teres acreditado nas minhas palavras, que se cumprirão na altura própria. A tradução deste versículo pode começar de outro modo: Vais ficar em silêncio e sem capacidade (força) para falar. Não é absolutamente linear que o verbo siwpáw signi…

FRUTOS DA TERRA E DO TRABALHO DO HOMEM

(Depois da minha homilia no passado domingo na solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, muitos mostraram-se interessados acerca da simbologia do Pão e do Vinho. Aproveito para partilhar o texto ao qual me inspirei para a minha homilia. O texto é de Enzo Bianchi, prior da comunidade de Bose - Itália)
É significativo que a palavra “Pão” apareça ao início da Bíblia sob o signo do trabalho, da fadiga, do suor: “comerás o pão com o suor da tua testa” (Gen 3, 19). De facto o pão significa antes de tudo comida, aquilo que sustém o homem, aquilo que é absolutamente necessário e que o homem deve procurar com o duro trabalho da terra. Quando à palavra “vinho”, ela aparece pela primeira vez no episódio de Noé, o patriarca supérstite do dilúvio  o qual, plantou uma vinha para se consolar e das uvas fez o vinho e bebendo-o embriagou-se (Gen 9,20-21). Assim o vinho é consolação mas também é capaz de provocar comportamentos indignos de um homem.  Mas, eis que quando a história aparece inequivocamente c…

Aos pés da Cruz!

Muitas pessoas presenciaram curiosos a crucifixão de Cristo no alto do Calvário.  São muitos os que assistiam atónitos ao suplício de um homem inocente. mas, são poucos os que ficaram aos pés da cruz: a mãe de Jesus; a irmã de Maria de Nazaré, Maria de Cleofas e Maria de Magdala, e nos assegura mais a frente o evangelista que perto da mãe estava também o discípulo amado de Jesus. Um pequeno grupo de pessoas. Somente um pequeno grupo de fidelíssimos têm a coragem de não fugir e testemunhar a própria fé Nele. Somente poucos audazes, juntamente com Maria têm a coragem de suportar com Cristo a dor e o sofrimento por uma morte injusta. Hoje, na Solenidade da Virgem das Dores somos chamados a contemplar Jesus no maior gesto de obediência da sua história. Somos chamados a olhar para Cristo e o mistério da nossa salvação, através do olhar da Mãe.  Contemplar este drama na vida da família de Nazaré, o último evento que Maria vive com o Filho, é quase entrar nos sentimentos de uma mãe com um fil…