Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Março, 2010

A Regalidade da Cruz

A liturgia deste último Domingo da Quaresma convida-nos a contemplar esse Deus que, por amor, desceu ao nosso encontro, partilhou a nossa humanidade, fez-Se servo dos homens, deixou-Se matar para que o egoísmo e o pecado fossem vencidos. A cruz (que a liturgia deste domingo coloca no horizonte próximo de Jesus) apresentanos a lição suprema, o último passo desse caminho de vida nova que, em Jesus, Deus nos propõe: a doação da vida por amor.Celebrar a paixão e morte de Jesus é abismar-se na contemplação de um Deus a quem o amor tornou frágil… Por amor, Ele veio ao nosso encontro, assumiu os nossos limites, experimentou a fome, o sono, o cansaço, conheceu a mordedura das tentações, tremeu perante a morte, suou sangue antes de aceitar a vontade do Pai; e, estendido no chão, esmagado contra a terra, atraiçoado, abandonado, incompreendido, continuou a amar. Desse amor resultou vida plena, que Ele quis repartir connosco “até ao fim dos tempos”: esta é a mais espantosa história de amor que é …

Louvado sejas, meu Senhor!

Em Dia Mundial da Água, cantamos com Francisco de Assis:


«Louvado sejas, meu Senhor,
pela nossa irmã água,
que é tão útil e humilde
e preciosa e casta».
Pela irmã água do seio mateno,
que amorosamente nos envolve e acompanha
em nossa gestação e crescimento;

Pela irmã água da chuva,
ora serena ora violenta e arrasadora,
a lavar cidades e aldeias;

Pela irmã água do mar imenso e majestoso,
a desafiar-nos ao lazer e ao convívio
e aos desportos radicais
e a sulcar horizontes de profundidade e de universalidade;

Pela irmã água dos rios
que serpenteiam montanhas e vales,
a irrigar campos e sementeiras;

Pela irmã água das torneiras e dos chuveiros
que em cada manhã nos desperta
para a vida e para a missão;

Pela irmã e mãe água do Baptismo,
que nos traz vida nova, nova esperança
e novo compromisso na construção da Cidade
onde habita a Paz e o Bem:
Louvado sejas,meu Senhor!

Frei Acilio Mendes

Um perdão que fascina!

“Vai em Paz e não tornes a pecar”


Uma unica palavra sai da boca de Jesus. O convite para viver o seu futuro numa nova condição inaugurada pelo dom. Jesus restaura a sua liberdade e dignidade, diz-lhe para tentar outra vez, mas, com um olhar mais além daquilo que tinha tentado até então. Um convite a não continuar a falhar o alvo na sua busca de uma vida e do amor.

O pecado não é mais determinado em relação à lei, mas em relação à liberdade. A condião para viver em liberdade da condenação, que depende da lei, coincide com a liberdade de não voltar a pecar. Mas isso é um dom, não um imperativo moral. A lei condena o passado mas a palavra de Jesus, a sua boa notícia, aponta para a liberdade futura.

Claro que este alinhamento de Jesus ao lado da liberdade e da vida se transforma em motivo de acusação e razão de ódio dos chefes politicos e religiosos.

Se ele liberta a mulher assume, porém, para si o peso do seu pecado. Mais uma vez, nós contemplamos o amor-doação que prefere perder a sua v…

Vou Partir e vou ter com meu Pai!

Regressarei à casa de meu Pai como o filho pródigo, e serei acolhido. Tal como ele o fez, também eu o farei: Ele me atenderá? Eis-me a bater, Pai misericordioso, à Tua porta; abre, para que eu entre, não me perca, não me afaste nem pereça! Fizeste-me Teu herdeiro, mas eu abandonei a herança e dissipei os meus bens; que doravante eu seja como um jornaleiro e um servo. Assim como pelo publicano a tiveste, tem piedade de mim, e eu viverei pela Tua graça! Assim como à pecadora, a quem remiste, redime também os pecados que cometi, ó Filho de Deus. Assim como a Pedro, que salvaste, salva-me do meio das ondas. Assim como pelo ladrão a tiveste, tem piedade da minha baixeza e lembra-Te de mim! Assim como fizeste com a ovelha perdida, procura-me, Senhor, e encontrar-me-ás; e a Teus ombros, Senhor, leva-me à casa de Teu Pai. Abre-me os olhos, como os abriste ao cego, para que eu veja a Tua luz! E tal como o fizeste ao surdo, abre-me os ouvidos, para que eu ouça a Tua voz. Cura esta minha enfermi…

Louvado Sejas meu Senhor!

Louvado sejas meu Senhor, pela nossa irmã morte! Ontem, 8 de Março, o nosso saudoso Frei Mauro foi visitado pela nossa irmã morte. A Quaresma do Frei Mauro terminou. Ele agora vive a Páscoa eterna com o seu Senhor que seguramente lhe virá ao encontro dizendo “servo bom e fiel entra no gozo do teu Senhor.”  Embora firmes na certeza da nossa fé, que não engana, para nós Irmãos Capuchinhos de Cabo Verde, este é um duro golpe. Frei Mauro fazia parte do segundo grupo de missionários que chegou a Cabo Verde em 1949, dois anos depois da abertura da missão, viveu entre nos durante 62 anos. Se a nossa fraternidade Capuchinha e a nossa Igreja hoje florescem devemos seguramente muita coisa ao sangue e ao suor de freis missionários como Mauro. Nós nos comprometemos a fazer tesouro de tantas heranças e lembranças.  Agradecemos o nosso irmão pelo seu amor e dedicação a nós e à nossa gente e pelos seus 62 anos vividos entre nós, como um de nós, acompanhando-nos nas nossas lutas, derrotas e vitórias. Qu…

Esta é uma nova oportunidade. Convertei-vos!

A parábola da figueira é muito eficaz. Três anos sem frutos, o tempo desperdiçado em coisas fúteis que não salvam para a eternidade, uma existencia falhada, uma vida - a nossa - estéril, que não produz frutos. Podemos emitir juizos diferentes em relação à nossa realidade social como nos é apresentada nos noticiários? Figueira infrutífera. Folhas. “papo furado”. Quando não pior.


Então precisamos tomar uma decisão, precisamos de nos converter. Esta é "uma nova oportunidade que nos foi dado, que Cristo nos deu através da sua redenção e do seu perdão. Mais uma vez, mais uma chance, mais uma Quaresma.

O coração de Deus se estende com paciência através do tempo e é Ele tem que se preocupa em escavar-nos dentro e em colocar-nos adubos abundantes. Ele é o primeiro agricultor apaixonado da nossa terra estéril. Que condescendência e bondade!

Poderíamos resumir a mensagem de hoje dizendo que Deus faz justiça, mas que a sua justiça segue o ritmo da sua misericórdia.